Depois da província de Gaza, mais províncias contam com a vacina  contra a COVID-19, nomeadamente Inhambane, Tete, Nampula e C. Delgado, tendo recebido 9.720, 7.479, 17.790 e 9.900 doses respectivamente.

A Província de Gaza já conta com um lote de vacina contra a COVID-19, num total de 7.620 doses de vacina. A chegada das vacinas foi testemunhada pelas S. Excias Vice Ministra, Secretário do Estado, Governadora da Província e contou ainda com a presença da comissão de recepção de medicamentos, técnicos do Serviços Provinciais de Saúde, Direcção Provincial de Saúde e a imprensa local.

Moçambique recebeu esta Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2021, 200 mil doses de vacinas produzidas pela Farmacêutica chinesa, Sinopharm (Beijing Institute of Biological Products).

Trata-se da Vacina VeroCell (SARS-CoV-2 Vaccine), e é uma das perto de uma dezena de vacinas aprovadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), já em administração em alguns países, no âmbito dos esfroços globais de combate à pandemia de COVID-19.

As 200 mil doses da Vacina VeroCell, produzina pela Farmacêutica chinesa, Sinopharm, fazem parte do primeiro de vários lotes de vacinas que o país espera receber no âmbito das iniciativas criadas para a aquisição/disponibilização de vacinas no mundo, para cobrir a população elegível.

No caso particular das 200 mil doses, lote que inclui seringas para sua administração, as vacinas destinam-se à vacinação dos profissionais do Serviço Nacional de Saúde, que constituem o grupo com maior risco de contrair a infecção pelo Novo Coronavírus (SARS COV2).

Os profissionais de saúde são o primeiro grupo prioritário definido pelo Governo de Moçambique, em seguimento às orientações da OMS.

O Primeiro-Ministro Carlos Agostinho do Rosário, que em representação do Governo recebeu a tranche de vacinas, em cerimónia realizada na Base Aérea de Maputo, logo depois da descarga das mesmas de um avião da Força Aérea da República Popular da China, começou por agradecer ao Governo e povo chineses, representados pelo Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário daquele país, em Maputo, Wang Hejun, tendo referido que a chegada desta vacina que representa um importante marco para a redução de casos graves e fatais no sector da saúde.
“ Esta vacina permitirá que os profissionais que trabalham na linha da frente no combate ao coronavírus e outras doenças possam garantir a assistência médica necessária aos cidadãos moçambicanos, em todos os serviços prestados à todos os níveis e aliviar o impacto sanitário e socioeconómico desta doença no país”.