Moçambique recebeu esta Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2021, 200 mil doses de vacinas produzidas pela Farmacêutica chinesa, Sinopharm (Beijing Institute of Biological Products).

Trata-se da Vacina VeroCell (SARS-CoV-2 Vaccine), e é uma das perto de uma dezena de vacinas aprovadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), já em administração em alguns países, no âmbito dos esfroços globais de combate à pandemia de COVID-19.

As 200 mil doses da Vacina VeroCell, produzina pela Farmacêutica chinesa, Sinopharm, fazem parte do primeiro de vários lotes de vacinas que o país espera receber no âmbito das iniciativas criadas para a aquisição/disponibilização de vacinas no mundo, para cobrir a população elegível.

No caso particular das 200 mil doses, lote que inclui seringas para sua administração, as vacinas destinam-se à vacinação dos profissionais do Serviço Nacional de Saúde, que constituem o grupo com maior risco de contrair a infecção pelo Novo Coronavírus (SARS COV2).

Os profissionais de saúde são o primeiro grupo prioritário definido pelo Governo de Moçambique, em seguimento às orientações da OMS.

O Primeiro-Ministro Carlos Agostinho do Rosário, que em representação do Governo recebeu a tranche de vacinas, em cerimónia realizada na Base Aérea de Maputo, logo depois da descarga das mesmas de um avião da Força Aérea da República Popular da China, começou por agradecer ao Governo e povo chineses, representados pelo Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário daquele país, em Maputo, Wang Hejun, tendo referido que a chegada desta vacina que representa um importante marco para a redução de casos graves e fatais no sector da saúde.
“ Esta vacina permitirá que os profissionais que trabalham na linha da frente no combate ao coronavírus e outras doenças possam garantir a assistência médica necessária aos cidadãos moçambicanos, em todos os serviços prestados à todos os níveis e aliviar o impacto sanitário e socioeconómico desta doença no país”.

Comemora-se hoje, o Dia Mundial do Cancro, cujo lema em 2021 é "Eu sou e Eu vou".

Trata-se de um evento global que visa unir a população em torno da luta contra o cancro, que representa um problema importante de saúde pública em todo o mundo, sendo
responsável por elevadas taxas de morbimortalidade.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), indicam que em 2018, o cancro foi responsável por 8,8 milhões (13%) do total de mortes no Mundo, representando a segunda causa de morte por doenças não transmissíveis.

No mesmo periodo, o nosso país, de acordo com o Programa Nacional de Combate ao Cancro, do Ministério da Saúde (MISAU), registou 25.631 novos casos de cancro, dos quais, o sarcoma de kaposi, o cancro do colo do útero, o cancro da mama e da próstata foram os mais comuns, representando, respectivamente, para ambos os sexos, 24,7 por cento, 16,7, 5,3 e 6,4 por cento, e uma taxa de mortalidade de 17.813 casos de cancro dos quais o mais mortal foi o cancro do colo do útero com 3376 casos (19 por cento).

O Dia Mundial do Cancro foi estabelecido pela OMS, Centro de Investigação de Cancro (IARC) e pela União Internacional do Controlo do Cancro (UICC).

MISAU-DCI

Os dados foram partilhados na tarde desta Quinta-feira, 4 de Fevereiro de 2021, em comunicado diário sobre a Covid-19.

Sobre os óbitos anunciados hoje, mas declarados em dias diferentes, o comunicado diz tratar-se de pacientes de nacionalidade moçambicana, sendo sete do sexo masculino e cinco do sexo feminino. As idades variam entre nove e 75 anos de idade.

Ainda sobre os 12 óbitos, um foi declarado no dia 02/02/2021, nove ontem, dia 03/02, e dois hoje, 04/02.

Relativamente aos novos casos de infecção, o documento do MISAU refere que mais 1.055 indivíduos contraíram o vírus, elevando para 42.488 o número total de casos positivos no país.

Os 1.055 infectados resultam de um total de 2.614 testes realizados até ontem, 03 de Fevereiro.

No que concerne às nacionalidades dos 1.055 indivíduos infectados, 1.026 casos são indivíduos de nacionalidade moçambicana, dois estrangeiros e 27 de nacionalidades ainda por apurar.

Os casos reportados esta Quinta-feira resultam de transmissão local e encontram-se em isolamento domiciliar, estando em curso, neste momento, o processo de mapeamento dos seus principais contactos.

Quanto aos outros dados, o comunicado do MISAU informa que foram registados mais 38 novos internamentos, 188 casos de recuperação e 26 altas hospitalares.

Casos positivos
Cumulativo: 42.488 casos positivos registados, dos quais, 41.172 são de transmissão local e 316 importados.