MISAU avalia seu desempenho anual na cidade de Maxixe

Com o objetivo de avaliar o grau de cumprimento dos compromissos sectoriais, identificar os principais desafios, bem como perspectivar a aceleração da implementação do Plano Estratégico do Sector Saúde 2019-2024 e do Programa Quinquenal do Governo 2020-2024, teve inicio esta Quarta-feira, 19 de Julho, na cidade de Maxixe, capital económica da província de Inhambane, o Quadragésimo Oitavo Conselho Coordenador Nacional de Saúde.

Uma avaliação que será realizada tendo em conta os inúmeros desafios que têm pressionado o Sector a tomar medidas enérgicas para assegurar o progresso dos indicadores sanitários, referiu Armindo Tiago, ministro da saúde, na abertura da magna reunião, que destacou o facto de a mesma decorrer num momento em que o país se regozija pelo esforço conjunto no combate à COVID-19, uma pandemia que teve um impacto sem precedentes na sociedade humana. " No último ano, tivemos também de realizar acções vigorosas para o controlo das emergências sanitárias relacionadas com a pólio e cólera, duas doenças infecciosas altamente transmissíveis", lembrou o ministro, acrescentando que o país, actualmente, ainda se ressente do choque catastrófico provocado pelas calamidades naturais e da instabilidade imposta pelas acções terroristas na Província de Cabo Delgado.

Ainda assim, sublinhou Armindo Tiago, " …continuamos a caminhar firmemente rumo ao alcance das metas plasmadas no Plano Estratégico do Sector Saúde e no Programa Quinquenal do Governo. Entre estas o destaque vai para as acções que visam a expansão do acesso aos serviços de saúde de qualidade, a edificação de infraestruturas sanitárias, o desenvolvimento de recursos humanos, e a implementação de programas de promoção de saúde e prevenção das doenças."

E por falar em realizações do período em análise, o ministro vincou aquelas que segundo suas palavras, gostaria que inspirassem os debates e acelerassem a busca de soluções urgentes, entre as quais, as acções estratégicas do Programa Quinquenal do Governo 2020–2024, onde se destaca:
•    A entrada em funcionamento de 79 maternidades;
•    Colocação de 1,434 enfermeiras de saúde materno-infantil;
•    Alocação de 236 ambulâncias e 219 motorizadas ambulâncias às províncias;
•    Entrada em funcionamento de 3 blocos operatórios (HD de Jangamo, Manica e Búzi) e expansão dos serviços de COEB e COEC para 739 US;
•    Formação de 25 médicos gineco-obstetras;
•    Instalação de 1,239 geleiras de sistema solar em todas as províncias do país;
•    Vacinação de 2,945,282 crianças com menos de 1 ano de idade contra várias doenças (Poliomielite, tétano, sarampo, entre outras);
•    Vacinação contra COVID-19, de 20,582,837 pessoas com pelo menos 1 dose, sendo que 19,802,918 pessoas (96.5% do grupo-alvo) estão completamente vacinadas;
•    Entrada em funcionamento dos armazéns intermediários de Chimoio em Manica, e Mocuba, Mopeia e Ile na Zambézia;
•    Inauguração do armazém central de medicamentos da Beira;
•    Terciarização dos serviços de transporte na distribuição de medicamentos até à última milha (US) em todas as províncias, com cobertura de 93%.

No âmbito da visita de dois dias que efectua a Moçambique, o Director-Geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, acompanhado pelo Vice-ministro da Saúde, Ilesh Jani, efectuou esta sexta-feira, 14, uma visita de trabalho á província de Maputo, onde visitou o Centro de Saúde de Boane e se deslocou ao bairro de Manguiza, tendo interagido com membros de alguns agregados familiares.

No Centro de Saúde de Boane, Ghebreyesus percorreu os compartimentos daquela unidade sanitária, desde a Maternidade, o SAAJ, a Enfermaria em Medicina masculina e a Enfermaria de Pediatria, tendo interagido com os pacientes e funcionários. Na ocasião, o titular da pasta máxima da OMS, assegurou que a instituição que dirige irá assegurar a mobilização de parceiros para a edificação de uma Unidade Sanitária, mormente um Hospital Distrital.

Pelo número de habitantes que o distrito de Boane possui, merece um hospital distrital de categoria 1. Tudo faremos para mobilizar os recursos necessários através dos nossos parceiros. E como OMS vamos garantir o apoio técnico de modo a alcançar-se esta missão, em breve", afirmou o Director-Geral da OMS.

Num outro desenvolvimento, Ghebreyesus destacou a necessidade do fortalecimento dos cuidados primários, com destaque para as aldeias, pois é nestes locais onde as actividades de prevenção e promoção de saúde devem ocorrer com viemencia.

"Os cuidados de saúde primários tem se mostrado a chave para o controlo de várias doenças. Por isso, recomendo vivamente a aposta que o sector da saúde de Moçambique tem adoptado no sentido fazer uma interacção cada vez mais profícua e didáctica com as comunidades".

Por seu turno, o Vice-ministro da Saúde, Ilesh Jani, afirmou ser uma visita oportuna para o sector da saúde, pois abre espaço para a troca de experiências entre diferentes intervenientes, com vista a encontrar-se soluções para melhorar o acesso aos serviços de saúde à população moçambicana.

"É um privilégio para nós como sector da saúde, como país, receber o Director-Geral da OMS. Nesta visita [ao hospital] foi possível dar a conhecer o funcionamento desta unidade sanitária, tendo sido assumido o compromisso com vista a mobilização de recursos para infraestruturas um pouco por todo o país, no âmbito da iniciativa Presidencial 'Um distrito, um hospital'. Igualmente, a presença do Director-Geral da OMS revela-se de oportunidade para a troca de experiências no que toca ao modelo de gestão hospitalar, entre outros pontos essenciais para o sector da saúde".

Na visita que efectuou ao bairro de Manguiza, o Director-Geral da OMS acompanhou, entre outros, o trabalho desenvolvido pelos Agentes Polivalentes de Saúde (APS), desde os desafios, o impacto e resultados das suas actividades ao nível das comunidades.

Refira-se que a visita do Director-Geral da OMS a Moçambique enquadra-se no convite formulado pelo Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, em Maio último, em Genebra, na Suíça, a margem da Reunião da Assembleia Geral da OMS, para participar da Conferência Internacional de Investimentos em Infraestruturas do sector de Saúde, que decorre de 13 a 14 de Julho, na Cidade de Maputo.

MISAU-DCI

 

Garantido financiamento para a construção de mais 22 hospitais distritais que se irão somar aos 49 actualmente existentes

Encerrou na tarde desta Sexta-feira, dia 14 de Julho de 2023, na Cidade de Maputo, a Conferência Internacional de Investimento em Infra-estruturas do Sector de Saúde, evento que vinha decorrendo sob o lema “ Investir para o Alcance do Acesso Universal aos Serviços de Saúde”.


Inserida no quadro dos esforços do Governo visando assegurar a expansão da rede sanitária do país, com o objectivo último de melhorar a saúde e bem-estar dos moçambicanos a conferência cumpriu com o objectivo da sua realização, tal como referiu Adriano Maleiane, Primeiro-Ministro, no fecho da reunião de dois dias.

" Registamos, com muita satisfação, que a presente Conferência permitiu a discussão e identificação de oportunidades de apoio ao desenvolvimento de infra-estruturas do sector da saúde com o envolvimento de múltiplos actores, incluindo empresas dos sectores público e privado, organizações da sociedade civil, parceiros de cooperação, entre outros", referiu Adriano Maleiane, destacando que durante os debates havidos nas diferentes sessões temáticas tinha sido notório o compromisso e determinação dos vários intervenientes em se juntarem aos esforços do Governo no quadro do aprimoramento dos serviços de saúde em Moçambique.

" A propósito, gostaríamos de sublinhar o compromisso alcançado nesta Conferência com os diferentes parceiros que se predispuseram a conceder financiamento para a construção de mais 22 hospitais distritais que se irão somar aos 49 actualmente existentes", anunciou o governante.
Maleiane acrescentou ainda que a Conferência teve o condão de ver reafirmada a urgência e importância da colaboração, articulação e estabelecimento de sinergias entre o Governo, sector privado, sociedade civil e parceiros de cooperação para acelerar a implantação de unidades sanitárias de nível distrital, destacando o facto de igualmente ter sido dada especial atenção ao desenvolvimento de recursos humanos qualificados, que são o complemento das infra-estruturas.
" Registamos com elevado apreço o compromisso expresso durante este evento relativo à formação nos próximos tempos de mais de 2000 profissionais de saúde, entre técnicos de saúde e médicos, o que representa uma importante contribuição no processo de aceleração da implementação do Plano Nacional de Desenvolvimento de Recursos Humanos do Sector da Saúde", disse o PM, que de seguida agradeceu, em nome do Governo, a todos os parceiros que manifestaram prontamente o compromisso de apoiar Moçambique.

A Conferência Internacional de Investimento em Infra-estruturas do Sector de Saúde, foi marcada, também, pela distinção dos que melhor prestação tiveram nas olimpíadas juvenis sobre o desenvolvimento de soluções para a saúde, assim como por uma feira/exposição de produtos e serviços do sector.Organizada pelo Governo de Moçambique através dos ministérios da Saúde (MISAU) e da Economia e Finanças (MEF), com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos, Conferência Internacional de Investimento em Infra-estruturas do Sector da Saúde contou com a participação do Director-Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus (padrinho da Iniciativa Presidencial " Um Distrito, Um Hospital Distrital"), membros do Governo, representantes de parceiros de cooperação, representantes de empresas dos sectores público e privado, organizações da sociedade civil, quadros a diversos níveis do MISAU e MEF, entre outros convidados, nacionais e internacionais.