Em conferência de imprensa bastante concorrida, o Ministério da Saúde (MISAU) anunciou na tarde de ontem, 14 de Abril, o arranque, na próxima segunda-feira, 19 e em todo o país, da II Fase do processo de vacinação da população moçambicana contra a COVID-19.

Segundo fez saber Benigna Matsinhe, Directora Nacional Adjunta de Saúde Público, que se fazia acompanhar pelo Director Geral Adjunto do Instituto Nacional de Saúde, Eduardo Samu Gudo, a 2ª Fase de vacinação vai decorrer em duas doses e o MISAU espera vacinar um total de 216.771 pessoas, entre Estudantes finalistas de cursos de formação em Saúde; Doentes diabéticos não abrangidos na primeira fase com idade superior a 60 anos; Doentes em terapia imunossupressora; Doentes com insuficiência renal crónica em hemodiálise ou na lista de espera; Doentes com insuficiência respiratória crónica; Doentes com insuficiência cardíaca crónica; População residente em centros de acomodação; Reclusos e funcionários prisionais; Polícias com idade superior a 50 anos e; Professores do ensino primário com idade superior a 50 anos.
 
Para este processo, referiu ainda Benigna Matsinhe, serão constituídas 313 equipas compostas por 2.643 técnicos que vão administrar a vacina nas Unidades Sanitárias das Sedes Distritais, Centros de Acomodação e Centros Penitenciários.
 
No que concerne às especificidades da vacina, Benigna Matsinhe referiu que a que será administrada na segunda fase é a vacina Covishield, que Moçambique recebeu em Março último, através do mecanismo COVAX e de uma doação da Índia, num total de 484.000 doses. A mesma é recomendada para indivíduos acima de 18 anos, incluíndo idosos com mais de 65 anos.

A inauguração, na manhã desta Quinta-feira, no recinto do Hospital Central de Maputo, de um mural com rostos de alguns profissionais da saúde em representação de todos os colaboradores do sector que têm estado na linha da frente do combate à Covid-19 marcou as celebrações do Dia de Mundial de Saúde assinalado na última Quarta-feira, 07 de Abril.

Dr. Zacarias Zindoga, Secretário Permanente do Ministério da Saúde (MISAU), que procedeu a inauguração do mural em representação do Ministro da Saúde, Prof. Doutor Armindo Tiago, referiu que o acto é carregado de grande significado, pois nele está o reconhecimento da sociedade em relação ao abnegado trabalho que tem sido levado a cabo pelos profissionais de saúde à diversos níveis para salvar vidas.
 
Zindoga destacou o actual momento da Covid-19 como o que nos últimos anos colocou à prova a missão de um profissional de saúde. “Nesta pandemia não são poucas as vezes que os profissionais colocaram em risco as suas próprias vidas em defesa dos seus pacientes”, referiu Zindoga que classificou a homenagem de justa e oportuna, tendo na ocasião felicitado a Associação Reciclagem e Serviços que apoiou o sector na materialização deste objectivo.

Doutor Armindo Tiago fez a afirmação esta Quarta-feira, 14 de Abril de 2021, na VIII Reunião Nacional da Sociedade de Notícias que decorre em Maputo, sob o lema “Garantindo uma informação e serviços de qualidade no contexto da COVID-19”.

O ministro da Saúde sustentou a sua afirmação destacando o importante papel de disseminação de informação sobre a doença, referindo que esta acção tem ajudado os cidadãos a tomar as melhores decisões sobre as atitudes e comportamentos a assumir relativamente à pandemia.

O dirigente afirmou ainda que foi graças aos órgãos e meios de comunicação social que, de forma relativamente rápida, foi possível massificar os conhecimentos sobre a COVID-19 no seio da sociedade moçambicana. Como prova disso, o ministro citou dois estudos científicos feitos pelo Instituto Nacional de Saúde (INS), em colaboração com o Banco Mundial e UNICEF, em Maio de 2020 e Setembro do mesmo ano.

Ainda na sua comunicação, o ministro da Saúde referiu que, no contexto da pandemia, é importante que a imprensa contribua na construção e consolidação da confiança dos cidadãos aos intervenientes envolvidos na resposta à situação de emergência sanitária, devendo para isso privilegiar uma informação completa, clara, compreensível e, baseada em factos e na evidência científica.