Imprimir

Iniciativa presidencial “Um Distrito, Um Hospital”, melhoria de Assistência Sanitária e provisão de Medicamentos entre as prioridades do sector em 2022.

Terminou esta sexta-feira (05 de novembro), em Lichinga, capital da província de Niassa, o XLVI Conselho Coordenador da Saúde.

Com periodicidade anual, o Conselho Coordenador da Saúde de Lichinga, avaliou e debateu, entre várias matérias, o grau de cumprimento dos compromissos do sector; identificou os desafios actuais e futuros; perspectivou os próximos passos e aprofundou as acções sectoriais, tendo em conta a necessidade de alinhamento com as aspirações do Programa Quinquenal do Governo 2020-2024, entre outros instrumentos de Planificação e monitoria.

A reunião magna da Saúde, elencou os desafios urgentes e actuais sectoriais, e coube ao ministro da saúde, Armindo Tiago, apresentá-los, num discurso de encerramento, marcadamente introspectivo, aliás, caracteristica dos debates que aconteceram ao longo dos três dias de trabalhos do Conselho Coordenador.

Entre os desafios, de acordo com o ministro Armindo Tiago, contam-se, a necessidade de expansão e melhoramento da rede sanitária, com destaque para a iniciativa presidencial “Um Distrito Um Hospital”; a consolidação do Plano de Logística (PELF), implementado pela Central de Medicamentos e Artigos Médicos (CMAM), com foco na continuidade da construção de armazéns de medicamentos em todo o país e o estabelecimento de uma cadeia eficiente de logística, e abastecimento de medicamentos; assim como a implementação do subsistema comunitário de saúde, num modelo que permita a transferência de conhecimentos e partilha de responsabilidades, dos profissionais de saúde e comunidades.

A redução da Mortalidade Materna, Neonatal e Intra-Hospitalar; o tratamento da desnutrição aguda em crianças menores de 5 anos; a redução da morbimortalidade por malária, tuberculose (TB) e vírus de imunidificiência humana (HIV); o rastreio e diagnóstico do cancro do colo do útero, próstata e trauma e outras doenças crónicas não trasmissiveis, degenerativas e trauma; a implementação do subsistema comunitário de saúde e preparação e resposta para emergências de saúde pública, são também desafios para o sector, em 2022.

A nível inspectivo, a recomendação foi no sentido de os gestores do sector, a diversos níveis, com destaque para os directores nacionais, directores provinciais e dos serviços provínciais de saúde, pautarem pela aproximação e com maior frequência, aos hospitais para monitoria e assistência regular.

Para o ministro da saúde, o desempenho dos hospitais é que faz a imagem do Ministério da Saúde, "pelo que não se pode dissociar o MISAU das unidades sanitárias".

E para o cumprimento das prioridades definidas e apresentadas no Conselho Coordenador de Lichinga, regra geral, de acordo com o ministro da saúde "deverão incidir na melhoria da saúde da população, destacam-se, o reforço do sistema de saúde, provisão de mais recursos humanos, tecnologia de saúde e produtos médicos que passam pela introdução de serviços de ressonância magnética e de hemodiálise nas unidades sanitárias do país, aquisição e provisão atempada de medicamentos", entre outros.

À margem do evento, o MISAU efectuou a entrega de cinco ambulâncias a igual número de distritos da província de Niassa, designadamente, Cuamba, Mandimba, Muembe, Sanga e Ngaúma, para o reforço da capacidade de resposta dos distritos a situações de emergência, que requeiram o transporte de pacientes ou mobilidade de equipas médicas.

A propósito, o ministro da saúde recomendou aos distritos beneficiários a fazerem o devido uso dos meios circulantes, assim como a manutenção periódica dos mesmos, por forma a serem duradoiros.

Realizado no formato híbrido (presencial e online), o XLVI Conselho Coordenador de Saúde, que teve como lema “Promovendo o subsistema comunitário para o alcance da cobertura universal de saúde”, decorreu em paralelo com uma Feira/Exposição de produtos e serviços de Saúde, tendo contado com a participação de quadros do sector, de nível central e provincial, parceiros sectoriais de cooperação, representantes de organizações da sociedade civil entre outros.

MISAU-DCI