Teve início na manhã desta segunda-feira (11), no Centro Internacional de Conferências Joaquim Chissano, na cidade de Maputo, a XII Reunião Nacional do Programa Nacional de Controlo da Malária (PNCM).

Na sua intervenção, o ministro da saúde, Armindo Tiago, que procedeu com a abertura do evento, enalteceu o sector e todos actores-chave no combate à malária, pela redução de casos no país, que se situa em 15 por cento, nos primeiros sete meses deste ano, em comparação com igual período de 2020.

“Dados do sector da saúde, indicam que Moçambique registou 6.433.431 casos de malária até Julho do corrente ano, contra 7.556.492 casos registados em igual período de 2020, o que representa uma diminuição de 15%. Ao longo do período em referência, foram registados 31.348 casos de malária grave, contra 38.653 casos em 2020, o que representa uma diminuição de 19%”, revelou Armindo Tiago.

Mesma tendência de diminuição, regista-se no que diz respeito às mortes por malária, nos hospitais moçambicanos, onde de janeiro a julho de 2021, foram registados 291 óbitos, contra 384, em igual período de 2020, facto que representa uma redução de 24%.

 

Apesar destes dados, o ministro da saúde considera que a situação continua preocupante no país, tendo instado a todos os intervenientes no combate à doença, para numa perspectiva multi-sectorial, continuarem a intensificar as acções de prevenção e combate à malária no país.

No que concerne às acções que têm vindo a ser desenvolvidas, o ministro destacou a utilização de intervenções reconhecidas como eficazes no controle da malária que estão a contribuir para o alcance dos indicadores usados no controle desta doença, reconhecendo que o caminho a percorrer até à eliminação da malária, tal como preconizam os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável 2017-2030, ainda é longo. Ainda na sua intervenção, Armindo Tiago referiu-se à recém anunciada vacina contra a malária, como um grande contributo nos esforços globais de combate à doença.

O ministro da saúde assegurou que o país vai adoptar os procedimentos recomendados pela OMS para que possa se beneficiar da vacina.

Armindo Tiago recordou que apesar desta boa nova, as medidas de combate à malária já conhecidas, entre as quais, o saneamento do meio, uso de rede mosquiteira impregnada com insecticida, pulverização intradomiciliar, devem continua a ser aposta para a vitória sobre esta doença, que por ano e só na áfrica Subsaariana, mata 260 mil menores de cinco anos.

Distinguidas personalidades com destacável contributo no combate à malária

Entre os diversos momentos que caracterizaram o primeiro dia da XII Reunião Nacional do Programa Nacional da Malária, destaque para a homenagem a personalidades que no âmbito das suas funções, ao longo do tempo, têm estado a se destacar em acções de prevenção e combate a esta doença.

Foram ao todo distinguidas, 24 personalidades, entre elas, docentes, activistas sociais, governantes, pesquisadores entre outros.

À margem desta reunião, decorre uma exposição que retrata diversas acções no âmbito do combate à malária, em Moçambique.

A XII Reunião Nacional do Programa Nacional da Malária, que vai reflectir sobre os desafios no progresso das actividades do PNCM, de modo a fortalecer a vigilância e estabelecer um limite rumo à eliminação da malária. termina na quarta-feira, dia 13 de outubro.