Imprimir

A recomendação é da esposa do Presidente da República, Dra. Isaura Ferrão Nyusi e foi feita esta este Domingo, 26 de Setembro, em Pemba, capital da província de Cabo Delgado, por ocasião do Dia Mundial da Contracepção.

De acordo com a esposa do Presidente da República, a celebração do 26 de Setembro é uma homenagem a todos os adolescentes e jovens, independentemente do seu estatuto social, económico, político, credo religioso ou condição física, e visa promover cada vez mais o Acesso à Informação e aos Serviços de Contracepção Modernos. "Constitui igualmente um momento de reflexão, visando delinear estratégias benéficas para colectivamente derrubarmos barreiras, corrigirmos disparidades, priorizando a sensibilização dos adolescentes e jovens na adopção dos métodos contraceptivos eficazes que contribuem para um desenvolvimento demográfico sustentável".

Numa mensagem dirigida especificamente aos dolescentes, rapazes e raparigas, lembrou o lema da celebração deste ano que é “Adolescentes e Jovens façam contracepção, protejam-se, nada de desculpas, conheçam as vossas opções, vosso futuro nas vossas mãos”, afirmando tratar-se de um apelo para o reforço da advocacia no acesso ao conhecimento e aplicação do método da contracepção pelos adolescentes e jovens, reforçando a ideia de ser esta "a melhor forma de contribuirmos na redução das gravidezes precoces e, acima de tudo, a retenção da rapariga na escola, um factor determinante para desenvolvimento do Capital Humano".

 

Em Moçambique, de acordo com inquéritos nacionais actualizados, uma em cada duas raparigas dos 15 aos 19 anos de idade, é mãe ou está grávida pela primeira vez; e uma em cada duas mortes entre as mulheres dos 15 aos 24 anos de idade, tem como causa a gravidez, o parto ou o aborto inseguro.

Em Cabo Delgado, mais precisamente, a taxa do uso de contracepção é das quatro mais baixas do país, onde somente cerca de duas mulheres em dez, usam métodos contracetivos modernos.

Isaura Ferrão Nyusi fez questão de destacar o facto de naquela província usar-se muito pouco o método contraceptivo, uma constatação que preocupa, daí a necessidade de, com brevidade o país ter de atacar todos os focos existentes e superar este cenário a curto e médio prazo.
"No caso especifico de Moçambique, a gravidez precoce constitui um problema de saúde pública, podendo trazer consequências negativas para a rapariga, sua família e para o bebé", alertou Isaura Nyusi, que lembrou igualmente que a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e seus 17 Objectivos se baseiam em princípios de direitos, justiça, inclusão e igualdade.

Falando na ocasião, o ministro da saúde, Armindo Tiago enalteceu o papel da esposa do Presidente da República em acções que visam a protecção e bem-estar sanitário e não só, das crianças, adolescentes, jovens e mulheres do país.

O Dia Mundial da Contracepção, comemora-se anualmente a 26 de Setembro e é parte de uma iniciativa da qual fazem parte mais de 70 países e organizações não-governamentais.

Moçambique juntou-se à esta plataforma universal em 2014.

MISAU-DCI