Armindo Tiago, Ministro da Saúde mostrou-se preocupado com insuficiência de equipamentos de protecção e segurança para os trabalhadores afectos às obras de construção do Hospital Geral da Beira, no Bairro de Manga-Mungassa naquela urbe.

Na visita que efectou na manhã deste Domingo, 26 de Janeiro de 2020, o governante deparou-se com trabalhadores afectos à empreitada que estavam em actividade sem botas, luvas, máscaras entre outros equipamentos indispensáveis numa obra daquela evergadura.

"Meus caros, estamos a construir aqui um hospital. Nós temos que

ser o exemplo da observância das medidas de higiene e segurança no trabalho", começou por dizer, acrescentando depois que "não podemos permitir que nas nossas obras ou em outras, os trabalhadores estejam expostos a tanto risco".

Armindo Tiago lembrou ainda que as doenças de fórum ocupacional em muitas das vezes não se manifestam de forma imediata.

"Queremos que os trabalhadores afectos a esta obra terminem os seus trabalhos com saúde, não queremos que no futuro venham a desenvolver doenças na sequência desta exposição", realçou o Ministro da Saúde.

O empreiteiro, por seu turno, comprometeu-se a corrigir a situação num prazo máximo de dois dias.

Entretanto, o governante disse que estava satisfeito com o cumprimento do cronograma das actividades, tendo se mostrado optimista quanto ao cumprimento dos prazos para a entrega da obra.

Ainda em torno das perspectivas no futuro hospital, o Ministro da Saúde reactivou diligências com o objectivo de se conseguir que o sector seja cedido o espaço que se encontra ao lado, que actualmente é usado para a criação de gado bovino.

O Governante entende que com mais espaço, há maior possibilidade de serem acomodados os futuros projectos da unidade sanitária, para além de se evitar que ao lado do Hospital sejam desenvolvidas actividades incompatíveis com o ambiente à volta de um local onde são oferecidos cuidados médicos.

O Hospita Geral da Beira, que terá a capacidade de 290 camas está a ser projectado para entre outras valências, descongestionar o Hospital Central com o mesmo nome, que recebe actualmente pacientes referidos de Manica, Tete e população da província de Sofala.

As obras cuja duração é 24 meses têm o seu término previsto para Novembro de 2021.

Ainda na manhã deste Domingo, o Ministro da Saúde visitou os Centros de Saúde de Macurungo, 24 de Julho e o Centro de Acomodação do IFAPA.

Na tarde de ontem, Armindo Tiago trabalhou no Hospital Central da Beira, onde se informou dos progressos e desafios depois do Ciclone IDAI.

A visita do Ministro às unidades sanitárias e obras do sector acontece à margem da sua estadia em Sofala, onde em representação do Chefe do Estado dirigiu a Cerimónia de Apresentação Pública do novo Governador (no Sábado, 25), prevendo-se que faça o mesmo ao Secretário do Estado, na Segunda-feira, 27, data em que termina a sua estadia naquela província do centro do país.