Pela primeira vez no país comemorou-se no passado dia 7 de Junho, o Dia Mundial dos Alimentos Seguros.

Com o lema "Alimentos Seguros, Responsabilidade de Todos", a data constitui uma oportunidade para alertar as Organizações da Sociedade Civil, sectores público e privado, bem como à população no geral sobre

a necessidade da implementação de acções que possam ajudar a prevenir, detectar e a gerir os riscos alimentares, contribuindo deste modo para a segurança alimentar, saúde, prosperidade económica, agricultura, acesso a mercados, turismo e desenvolvimento sustentável .

 

No lançamento das celebrações da data, a Directora Nacional de Saúde Pública, Dra. Rosa Marlene Manjate Cuco, defendeu que garantir alimentos seguros é uma responsabilidade compartilhada entre governos, produtores e consumidores.

"É importante trabalhar ao longo de toda a cadeia de produção de alimentos e reforçar os países com infra-estruturas capazes de inspeccionar, controlar e analisar os alimentos desde que são produzidos até ao prato do consumidor". 

Durante a conferência de imprensa do lançamento da celebração do dia, a Dra. Rosa Marlene Manjate Cuco, chamou atenção para as consequenciais do consumo de alimentos não seguros." Garantir alimentos seguros tem sido muitas vezes negligenciado, tanto ao nível individual como global, muitas vezes, doenças e mortes são atribuídas a outras causas mesmo quando a causa está directa ou indirectamente relacionada com a ingestão de alimentos inseguros ". Referiu.

Aliais, no nosso país, em 2018, registou-se um total de 522.504 casos de diarreias, 112.637 de disenteria e 7000 de cólera, o que corresponde a 5.5% de diarreias do total de casos notificados, daí que a Directora Nacional de Saúde Pública alertou para o perigo da não aplicação das boas práticas de manipulação de alimentos, tanto por parte dos vendedores, assim como de consumidores." Torna-se fundamental uma reflexão mais profunda sobre as intervenções mais adequadas a serem implementadas ao longo da cadeia de produção de alimentos, uma abordagem integrada no que concerne à higiene dos alimentos em que todos intervenientes têm a sua responsabilidade".

Refira-se que dados da Organização Mundial da Saúde indicam que o consumo de alimentos não seguros representa uma ameaça à saúde pública, pois mais de 200 doenças, desde diarreias ao cancro, para além de que todos os anos uma em cada 10 pessoas sofre de intoxicação, causando a morte a 420 mil pessoas devido ao consumo de alimentos contaminados. Deste número 125 mil são crianças menores de 5 anos.

A data foi marcada por palestras, exposição de alimentos e outras iniciativas